A revolução digital não acabou com a música tradicional...
09/01/2020 20:50 em Novidades

2020 mal começou e o Universo do Vinil já traz boas notícias sobre este mundo maravilhoso dos discos. Segundo o The Guardian, o Reino Unido nunca consumiu tanta música desde 2006 e, obviamente, quem fez os números decolarem foram os serviços de streaming. Mas, algo também teve ascensão neste mercado de música tão peculiar do mundo: os discos de vinil.

 

Os CDs caíram 26,5%, vendendo 23,5 milhões no ano passado, menos da metade do número vendido apenas três anos atrás, representando apenas 15% do total. No entanto, a revolução digital do streaming não acabou com a música tradicional, devido a um renascimento da popularidade dos formatos mais antigos. As vendas de vinil atingiram 4,3 milhões em 2019 e é o 12º ano consecutivo de crescimento, com a popularidade do vinil atingindo níveis nunca vistos desde a década de 1980.

 

O renascimento do vinil ajudou o toca-discos a se tornar um presente popular no Natal de 2019, com um aumento de 400% nas vendas entre novembro e dezembro. Uma varejista inglesa que vende modelos de marcas como Audio Technica, Sony e Ion Max disse que viu um aumento de 25% nas vendas de toca-discos nos últimos três anos.

 

Também, o renascimento do vinil chegou até a fita cassete, que até 2012 havia desaparecido – exceto para uso pela polícia em entrevistas. Enquanto as vendas de cassetes permanecem pequenas em 80.400 unidades, elas quase dobraram em relação ao ano anterior, desfrutando do maior ano de vendas desde 2004. Com isso, as vendas de cassetes cresceram nos últimos sete anos. 

 

“É maravilhoso ver o crescimento contínuo do vinil e a ressurreição da fita”, disse Vanessa Higgins, executiva-chefe da gravadora independente Regent Street Records. “Isso mostra que os fãs ainda amam um artefato de música físico e tangível em suas mãos”.

 

Enquanto as vendas gerais de CD continuam caindo, o desejo por um produto colecionável continua a impulsionar fortes vendas de edições especiais e conjuntos de caixas de qualidade premium.

 

“A música britânica provou mais uma vez em 2019 que tem um futuro brilhante”, disse Geoff Taylor, executivo-chefe do BPI e prêmios anuais da Brit. “A forte demanda por streaming de música e vinil elevou o consumo de música a níveis nunca vistos por 13 anos.”

 

Texto reproduzido do site Universo do Vinil

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!